Perfil das eleições

1º turno – dia 7 de outubro de 2018
2º turno, se houver – dia 28 de outubro de 2018

Votação das 8h às 17h

 

Observação: últimas eleições em que houve segundo turno em Minas Gerais:

1998:
Itamar Augusto Cautiero Franco (Coligação PMDB / PST / PSL / PTN / PT do B / PMN / PRTB / PAN / PPS / PL / PSC) – 3.080.925 votos (44, 294%)
Eduardo Brandão de Azeredo (Coligação PPB / PTB / PSN / PSD / PSDB / PFL) – 2.665.500 votos (38, 321%)

Eleito: Itamar Augusto Cautiero Franco – 4.808.652 votos (57, 615%)


1994:
Helio Calixto da Costa (PP) – 2.893.594 votos (48, 30%)
Eduardo Brandão de Azeredo (PSDB) – 1.629.711 (27,20%)

Eleito: Eduardo Brandão de Azeredo – 4.370.836 (58,65%)

 

Informações gerais

 

Municípios

Zonas Eleitorais

Locais de Votação

SeçõesEleitorais

Seções especiais

Eleitorado

Belo Horizonte

 

18

 

431*

4.586*

306*

1.956.410

Minas Gerais

853

 

304

 

10.296*

48.166

2.780*

15.700.966

* Os números ainda podem ser atualizados.

Ordem de votação na urna eletrônica

•    Deputado Federal;
•    Deputado Estadual;
•    Senador – 1ª vaga;
•    Senador – 2ª vaga;
•    Governador;
•    Presidente da República.

Observação: O eleitor deve votar em dois candidatos diferentes para as vagas de Senador. Caso o eleitor vote duas vezes no mesmo candidato, o segundo voto será considerado nulo.


Biometria

O cadastro do eleitor por meio da coleta de seus dados biométricos já está presente nos 853 municípios mineiros, sendo obrigatória em 84 (formato PDF) e não obrigatória em todos os outros.

Nas Eleições 2018, urnas com identificação biométrica dos eleitores serão utilizadas em 731 cidades. Em 122 municípios, a votação com identificação biométrica dos eleitores não será adotada. Isso ocorrerá porque nem todos os modelos de urnas eletrônicas utilizadas nas Eleições 2018 possuem o leitor dos dados biométricos.

Os municípios que receberão urnas eletrônicas sem o leitor dos dados biométricos foram definidos após estudo feito pelo TRE levando em consideração as cidades que não passaram pelo recadastramento biométrico obrigatório. Ainda, foi avaliado o número de eleitores que fizeram biometria em cada município.

Confira a relação de municípios onde não haverá urnas biométricas (formato PDF).

Saiba mais sobre o histórico da biometria em Minas Gerais.

É importante reforçar que em Minas Gerais só serão identificados por meio de seus dados biométricos os 4.736.576 eleitores mineiros que recadastraram a biometria perante a Justiça Eleitoral até o dia 9 de maio de 2018. Em Minas Gerais não haverá aproveitamento de outros cadastros biométricos. Nos estados do Rio de Janeiro e de Santa Catarina, por exemplo, a identificação biométrica será utilizada também em eleitores que cadastraram seus dados biométricos junto a outros órgãos daqueles estados – no Detran, no caso do Rio de Janeiro, e no Instituto Geral de Perícias, no caso de Santa Catarina.


Distribuição das vagas


- Presidente: uma vaga
Cada partido ou coligação poderá apresentar um candidato e seu respectivo vice.

- Senador: duas vagas
Cada partido ou coligação poderá apresentar dois candidatos, e cada um com dois suplentes.

- Deputado Federal: 53 vagas para Minas Gerais
Cada partido ou coligação poderá apresentar até 150% do número de vagas, ou seja, até 80 candidatos.

- Deputado Estadual: 77 vagas em Minas Gerais
Cada partido ou coligação poderá apresentar até 150% do número de vagas, ou seja, até 116 candidatos.

Observação: no cálculo do número total de candidatos a ser apresentados, a fração resultante será sempre desprezada, se inferior a meio, e igualada a um, se igual ou superior.


Quociente Eleitoral de eleições anteriores

Ano

Estadual

Federal

2014

135.128

190.918

2010

136.202

195.247

2006

127.389

184.747

2002

124.207

181.242

1998

96.326

136.069

1994

92.712

127.096


Entenda como são feitos os cálculos dos Quocientes Eleitoral e Partidária e das sobras.

 

Votação no segundo turno

Haverá segundo turno para governador no Distrito Federal e em 13 estados: Amazonas, Amapá, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Rio Grande do Sul, Rondônia, Rio Grande do Norte, Sergipe, Roraima, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. Nesses estados, o eleitor deverá votar primeiro para governador e, em seguida, para presidente, digitando, para cada cargo, dois números.

Em 19 municípios, serão realizadas também eleições suplementares para prefeito. Em 11 deles, a ordem de votação será governador, presidente e, por último, prefeito: Alpestre (RS), Vidal Ramos (SC), Aperibé (RJ), Laje do Muriaé (RJ), Mangaratiba (RJ), Araras (SP), Rincão (SP), Monte Azul Paulista (SP), Mongaguá (SP), Anamã (AM) e Novo Airão (AM). Em outras oito cidades, os eleitores votarão para presidente da República e  prefeito: Planalto da Serra (MT), Croatá (CE), Turvelândia (GO), Planaltina (GO), Davinópolis (GO), Divinópolis de Goiás (GO), Serranópolis (GO) e Bacabal (MA). Nesses locais, o eleitor vota primeiro para presidente e, em seguida, para prefeito.